Editora LetraSelvagem

Editora e Livraria Letra Selvagem

Literaura Brasileira

Os melhores escritores do Brasil

Ricardo Guilherme Dicke

Romance, Poesia, Ficção

Deus de Caim

Olga Savary

Nicodemos Sena

Edivaldo de Jesus Teixeira

Marcelo Ariel

Tratado dos Anjos Afogados

LetraSelvagem Letra Selvagem

Santana Pereira

Sant´Ana Pereira

Romance

Nicodemos Sena

Invenção de Onira

A Mulher, o Homem e o Cão

A Noite é dos Pássaros

Anima Animalista - Voz de Bichos Brasileiros

A Espera do Nunca mIas (uma saga amazônica)

O Homem Deserto Sob o Sol

Romancista

Literatura Amazonense

Literatura de Qualidade

Associação Cultural Letra Selvagem

youtube
Destaque Cadastre-se e receba por e-mail (Newsletter) as novidades, lançamentos e eventos da LetraSelvagem.

Obras Selvagens

Fonte maior
Fonte menor
Coração sujo: poemas de cotidiano e morte
Página publicada em: 12/11/2023
Matheus Rodrigues de Camargo - R$50,00 (176 págs.)
R$ 50,00
Comprar agora
Entre a pequena cidade de Capivari e a megalópole São Paulo, o gráfico e editor Matheus Rodrigues de Camargo vive aventuras e desventuras que o levaram ao fundo do poço da dependência química, de onde se levanta, um dia de cada vez. As páginas de "Coração Sujo" registram esse caminhar "humano demasiado humano", como diria Nietzsche. (Leia mais sobre esta obra poética visceral, que já nasce "clássica"...)
Imagem
“Trata-se de um livro que serve como prova da permanência da voz lírica em um mundo que constantemente a ignora. Voz que revela aquilo que os sentimentos podem pensar, acendendo uma certa luz de fósforo no fundo do abismo oceânico do humano, frágil chama que não se apaga e que se revela a fonte do espírito inquietante que fala através dessa mesma voz, que é a de Matheus Rodrigues Camargo e a de todos os poetas que ousaram mergulhar até tais profundidades." (Texto da contracapa -Marcelo Ariel)

Faça seu comentário, dê sua opnião!

Imprimir
Voltar
Página Inicial

Autores Selvagens

Autor

» Nicodemos Sena

Pelo estilo vigoroso e a temática inspirada na vida das populações marginalizadas da Amazônia (indígenas e caboclos), já foi comparado a grandes ficcionistas brasileiros, como Graciliano Ramos, João Ubaldo Ribeiro, Mário de Andrade e Érico Veríssimo, e a importantes ficcionistas latino-americanos, como o paraguaio Augusto Roa Bastos e o peruano José María Arguedas. Seu primeiro romance, "A Espera do Nunca Mais - Uma Saga Amazônica" (876 pág), conquistou, em 2000, o Prêmio Lima Barreto/Brasil 500 Anos.

Colunas e textos Selvagens

© 2008 - 2021 - Editora e Livraria Letra Selvagem - Todos os Direitos Reservados.