Editora LetraSelvagem

Literaura Brasileira

Os melhores escritores do Brasil

Ricardo Guilherme Dicke

Romance, Poesia, Ficção

Deus de Caim

Olga Savary

Nicodemos Sena

Edivaldo de Jesus Teixeira

Marcelo Ariel

Tratado dos Anjos Afogados

LetraSelvagem Letra Selvagem

Santana Pereira

Sant´Ana Pereira

Romance

Nicodemos Sena

Invenção de Onira

A Mulher, o Homem e o Cão

A Noite é dos Pássaros

Anima Animalista - Voz de Bichos Brasileiros

A Espera do Nunca mIas (uma saga amazônica)

O Homem Deserto Sob o Sol

Romancista

Literatura Amazonense

Literatura de Qualidade

Associação Cultural Letra Selvagem

youtube
Destaque Cadastre-se e receba por e-mail (Newsletter) as novidades, lançamentos e eventos da LetraSelvagem.
Lançamento do livro K - O escuro da semente

Críticas

Fonte maior
Fonte menor
O romance da civilização fluvial
Página publicada em: 23/10/2008
Benedicto Monteiro*
Neste texto, publicado no jornal "O Estado do Tapajós" em 5/3/2002, o grande romancista da Amazônia - Benedicto Monteiro - afirma que "Nicodemos Sena escreveu páginas que merecem ser consideradas clássicas na literatura amazônica"
Nicodemos Sena (à esq.) e Benedicto Monteiro
na V Feira Pan-Amazônica do Livro (Belém, 2001) 
 
 
DEPOIS que saí da prisão, em 1964, pretendia escrever um grande romance sobre a Amazônia e sobre o povo amazônida. Mas percebi que o tema era vasto e, o livro, teria talvez de conter mais de mil páginas. Optei então pelo hipertexto e acabei escrevendo a Tetralogia Amazônica, composta dos romances Verde Vagomundo, O Minossauro, A Terceira Margem, Aquele Um e, mais, o Carro dos Milagres (contos). Hoje, relendo o excelente romance A Espera do Nunca Mais, do paraense nascido em Santarém, Nicodemos Sena, compreendo por que ele teve de escrever mais de 800 páginas num só livro.
 
De fato, em sua excelente ficção, Nicodemos não poderia refletir a simbiose entre a realidade amazônica e o imaginário do nosso povo, conforme conseguiu, magistralmente, senão nesse extraordinário romance com 874 páginas, publicado recentemente (Ed. Cejup, 1999, Belém).
 
Não sou "crítico", nem gosto de dar opinião sobre obras literárias de colegas escritores. Mas me vejo no dever de dizer que, além de um grande romance, Nicodemos Sena escreveu páginas que merecem ser consideradas clássicas na literatura amazônica. A comovente morte do búfalo rosilho, narrada na segunda parte do livro (págs. 448 a 466), merece estar entre as melhores páginas que já se escreveram sobre a vida do nosso povo.
 
Assim como disseram sobre o meu livro Verde Vagomundo, digo agora para Nicodemos: – Quando os historiadores, os antropólogos e os sociólogos quiserem resgatar aspectos originais e fundamentais da cultura amazônica, terão que buscar nas páginas do romance A espera do nunca mais.
 
Quanto ao A Noite é dos Pássaros, segundo romance de Nicodemos Sena, cujos originais tive a oportunidade de ler enquanto o livro estava no prelo, tenho a dizer o seguinte: Infelizmente, os esforços dos missionários jesuítas, na época dos "descobrimentos", para estruturar uma Língua Geral para o Brasil, incorporando à língua portuguesa o "nheengatu" (língua boa), foram proibidos pelo Marquês de Pombal e não tiveram solução de continuidade pelos intelectuais brasileiros. Os nossos poetas e escritores, que promoveram o movimento literário indianista, como forma de ser fiel às nossas origens, limitaram-se a nomear os personagens indígenas de suas poesias ou de seus romances. Ou então, caricaturar esse sentimento nacionalista, como fez Lima Barreto.
 
Com A Noite é dos Pássaros, Nicodemos Sena incorpora, ficcionalmente, o que resta do linguajar indígena, na nossa literatura regional. Creio que Nicodemos encontrou a forma ficcional adequada para expressar a riquíssima contribuição da língua tupi e do imaginário amazônico, no que se pretende ser uma língua brasileira.
 
Dalcídio Jurandir, Guimarães Rosa, França Jr. e eu, modestamente, já demos a nossa contribuição, para formar na nossa literatura essa espécie de ilusão da oralidade. Agora, Nicodemos Sena, com esse seu novo romance, vem como que atestar essa incorporação do falar brasileiro, na nossa literatura regional e nacional. Até mesmo as formas lúdicas da narração e dos personagens constituem verdadeiras expressões poéticas do contexto lendário de nossa civilização fluvial.
 
Como nós, os escritores, só temos como instrumentos as palavras e os sonhos, que fazem o ser humano ser diferente do animal, é de saudar, com muita alegria, a publicação deste romance, que vem incorporar à literatura, de forma onírica, os fundamentos culturais da nossa civilização amazônica.
 
___________________
*Benedicto Monteiro, falecido em 15/06/2008, é um dos maiores romancistas da Amazônia; autor, entre outros, de Verde Vagomundo

Faça seu comentário, dê sua opnião!

Imprimir
Voltar
Página Inicial

Destaques

Autores Selvagens

Autor

» Nelly Novaes Coelho

Nelly Novaes Coelho nasceu na capital de São Paulo, em 17 de maio de 1922, pouco depois da Semana de Arte Moderna. Em 1960, inicia a carreira de docente universitária, como professora-assistente do Prof. Antônio Soares Amora, área de Literatura Portuguesa. Em 1961, acumula esse cargo com o de professora titular de Teoria da Literatura, na Faculdade de Letras de Marília (onde lecionava nos fi ns de semana). Segue a carreira universitária: doutora em Letras (USP, 1967), livre docência (USP, 1977). Professora-adjunta (USP, 1981) e professora titular de Literatura Portuguesa (USP, 1985). Nesse período, inicia-se como crítica e ensaísta literária, colaborando no Suplemento Literário de “O Estado de São Paulo”. Especializa-se em Literatura Contemporânea (portuguesa e brasileira). No decorrer de sua carreira acadêmica, entrega-se à docência e à crítica, publicando em jornais e revistas do Brasil e do exterior. É reconhecidamente uma das mais importantes críticas literárias e conferencistas de literatura brasileira e portuguesa no Brasil.

Colunas e textos Selvagens

© 2008 Associação Cultural LetraSelvagem - Todos os Direitos Reservados.