Editora LetraSelvagem

Literaura Brasileira

Os melhores escritores do Brasil

Ricardo Guilherme Dicke

Romance, Poesia, Ficção

Deus de Caim

Olga Savary

Nicodemos Sena

Edivaldo de Jesus Teixeira

Marcelo Ariel

Tratado dos Anjos Afogados

LetraSelvagem Letra Selvagem

Santana Pereira

Sant´Ana Pereira

Romance

Nicodemos Sena

Invenção de Onira

A Mulher, o Homem e o Cão

A Noite é dos Pássaros

Anima Animalista - Voz de Bichos Brasileiros

A Espera do Nunca mIas (uma saga amazônica)

O Homem Deserto Sob o Sol

Romancista

Literatura Amazonense

Literatura de Qualidade

Associação Cultural Letra Selvagem

youtube
Destaque Cadastre-se e receba por e-mail (Newsletter) as novidades, lançamentos e eventos da LetraSelvagem.
Lançamento do livro K - O escuro da semente

Críticas

Fonte maior
Fonte menor
Caio Porfírio Carneiro no coração
Página publicada em: 12/07/2018
Cyro de Mattos
O escritor Cyro de Mattos escreve sobre a vida e a obra de Caio Porfírio Carneiro, grande ficcionista brasileiro falecido em 2017 em São Paulo. Leia a seguir, na íntegra.
O inexorável sempre nos alcança, mostra, em momento irreversível, o quanto somos frágeis. Submete sem remorso o nosso coração a essa  hora ruim, com ares cor de cera. Fere quando  tira  de nós  um ente querido, amigo fraterno  ou uma dessas criaturas  que aprendemos a amar no seu percurso de vida. Mesmo que a amizade tenha sido começada a menos de vinte anos, com os parceiros distantes um do outro e só tiveram um encontro pessoal duas vezes.  É um dos milagres que a literatura consegue fazer, aproximando as criaturas, que logo se identificam de tal forma que parecem conhecidos íntimos ao longo de muitos anos.
 
Isso me veio à mente,  desde que me chegou a notícia da secretária Nilsi, da União Brasileira de Escritores/SP, via e-mail, de que a situação do  Caio não era boa. Estava internado na unidade de terapia intensiva do hospital, não falava.  Procurei saber detalhes sobre a condição do amigo,  através do seu editor Nicodemos Sena, que até então não tinha conhecimento sobre a saúde dele, a inspirar extremos cuidados.
 
A escritora Rosani,  uma das amigas queridas de Caio, informou-me depois que era verdade. “Ele está com o lado esquerdo todo paralisado e a fala  comprometida. Está se alimentando por sonda. Talvez seja irreversível. Vamos rezar por ele. Está para ter alta do hospital e, provavelmente, irá para uma clínica. Requer cuidados, durante 24 horas por dia. Fui visitá-lo no hospital e fiquei muito sensibilizada. Não entendi nada que falou. Pegou minha mão e deu um beijo. Voltei para casa sabe como... “
 
Era o que vinha fazendo, rezar por ele, para que saísse logo da agonia e voltasse ao convívio de amigos e admiradores, ao diálogo constante com os livros,  às veredas que percorrera com tanto brilho  como contador de histórias.  Se fosse para ficar no sofrimento,  sem perspectiva de recuperação, melhor viesse  o   que se anunciava como o que temos de mais triste. E isso veio  na notícia enviada por  Rosani: “Lamento informar que o Caio faleceu hoje.”
 
Cearense nascido em Fortaleza, em 17 de julho de 1928, Caio Porfírio Carneiro era um homem simples, um mestre do conto. Sobre seu romance O Sal da Terra (Editora LetraSelvagem, 2010), disse o consagrado escritor João Antonio: “Esta história pisa em território virgem na literatura brasileira. O mundo branco e desconhecido do sal no Nordeste, visto de dentro para fora e devassado com uma autenticidade fotográfica, supera, de pronto, as frouxas investidas literárias que se tem notícia na área das salinas e da sua gente.”
 
Acompanhei a trajetória do valoroso escritor desde sua estreia, com os contos de Trapiá, em 1961. Nessa época acontecia o arranque do moderno conto brasileiro,  que posteriormente teria um plantel de primeira linha em nossas letras, formado no começo por Samuel Rawet, Luís Vilela, Dalton Trevisan, Rubem Fonseca, Murilo Rubião, José J. Veiga, Lígia Fagundes Telles, João Antonio e Ricardo Ramos, entre outros.
 
O  contista cearense publicaria uma dezena de livros no gênero, conquistando também seu lugar no melhor do conto moderno brasileiro. As histórias de Trapiá ultrapassavam os limites do regionalismo dos anos 30/40. Engajavam-se em uma literatura que tem como tema o ser humano tocado de suas verdades essenciais: tristezas e dores.
 
Contos  que se apresentaram depois no espaço urbano, preocupados em flagrar essencialmente  os conflitos nas relações  humanas, todos eles fazem ver a marca inconfundível de um ficcionista que usa como impressão digital a economia dos meios expressionais. Portador de agudo sentimento de mundo, alcança a síntese do discurso com a precisão da palavra capaz de revelar o drama amplo no instante súbito.
 
Focado no drama perante a existência, sem desprezar a ternura, o estilo enxuto de Caio Porfírio Carneiro projeta densidade humana forçando o leitor participar da história, tornar-se cúmplice do destino dos personagens com sua  feição sofrida. Envolve a alma humana sob o peso da vida, sempre preenche o texto com sentimentos verdadeiros, a evitar que se percam no anonimato e esquecimento.
 
Exemplar secretário-administrativo da União Brasileira de Escritores, seção de São Paulo, durante décadas. Contista premiado com o Jabuti da Câmara Brasileira do Livro e o Afonso Arinos da Academia Brasileira de Letras. O prêmio que mais se orgulhava de ter era o de  conhecer como ninguém um sem número de escritores espalhados por esse Brasil de dimensões continentais. Desfrutava com inúmeros deles de uma amizade especial, nutrida de gestos fraternos, solidários.
 
Hoje, 17 de agosto, está fazendo  um mês que Caio nos deixou. Ele, que se transferiu para São Paulo em 1952 e que  nunca esqueceu sua condição de nordestino.
 
______________
*Cyro de Mattos é baiano de Itabuna. Membro efetivo da Academia de Letras da Bahia e Pen Clube do Brasil, UBE/SP e do Rio. Doutor Honoris Causa pela Universidade Estadual de Santa Cruz (Sul da Bahia). Premiado no Brasil, Portugal, Itália e México. Publicado em Portugal, Itália, França, Alemanha, Espanha e Dinamarca. Com Os Ventos Gemedores (Editora LetraSelvagem),  ganhou o Prêmio Pen Clube do Brasil - 2015.

Faça seu comentário, dê sua opnião!

Imprimir
Voltar
Página Inicial

Destaques

Autores Selvagens

Autor

» Álvaro Alves de Faria

Já em 1971, ano da primeira edição do romance "O Tribunal" (Editora Martins-SP), Álvaro Alves de Faria, com apenas 29 anos de idade (nasceu em São Paulo em 1942), era considerado “um dos escritores jovens mais conceituados” do Brasil, como informa o jornalista Durval Monteiro nas orelhas do livro. Da Geração 60 de Poetas de São Paulo, Álvaro Alves de Faria publicou mais de 50 livros, incluindo poesia, novelas, romances, ensaios literários, livros de entrevistas com escritores e é também autor de peças de teatro, entre elas "Salve-se quem puder que o jardim está pegando fogo", que recebeu o Prêmio Anchieta para Teatro, um dos mais importantes dos anos 70 do Brasil. Como poeta, recebeu os mais significativos prêmios literários do país. É traduzido para o inglês, francês, japonês, espanhol, italiano, servo-croata e húngaro.

Colunas e textos Selvagens

© 2008 Associação Cultural LetraSelvagem - Todos os Direitos Reservados.