Editora LetraSelvagem

Literaura Brasileira

Os melhores escritores do Brasil

Ricardo Guilherme Dicke

Romance, Poesia, Ficção

Deus de Caim

Olga Savary

Nicodemos Sena

Edivaldo de Jesus Teixeira

Marcelo Ariel

Tratado dos Anjos Afogados

LetraSelvagem Letra Selvagem

Santana Pereira

Sant´Ana Pereira

Romance

Nicodemos Sena

Invenção de Onira

A Mulher, o Homem e o Cão

A Noite é dos Pássaros

Anima Animalista - Voz de Bichos Brasileiros

A Espera do Nunca mIas (uma saga amazônica)

O Homem Deserto Sob o Sol

Romancista

Literatura Amazonense

Literatura de Qualidade

Associação Cultural Letra Selvagem

youtube
Destaque Cadastre-se e receba por e-mail (Newsletter) as novidades, lançamentos e eventos da LetraSelvagem.
Lançamento do livro K - O escuro da semente

Críticas

Fonte maior
Fonte menor
À sombra da floresta
Página publicada em: 10/09/2008
Enéas Athanázio*
"Como tantas vezes ocorre com a boa ficção, o romance de Nicodemos Sena é um documento mais útil e veraz da vida amazônica da época que muitos trabalhos históricos e científicos", diz crítico catarinense (Jornal “Página Três”, 31/07/2004, Balneário Camboriú, SC)
Os mistérios que cercam a vida que se desenrola à sombra da floresta amazônica exerceu sempre irresistível fascínio sobre os civilizados de todo o mundo. Cientistas, pesquisadores, aventureiros, visionários, exploradores e todos os demais espécimes dessa variada fauna de andarilhos têm desafiado os perigos e o medo do desconhecido para embrenhar-se no mais fundo das florestas na tentativa, tantas vezes infrutífera, de desvendar os seus segredos.
 
Não faz muito que reli, e até comentei, a saga do célebre Coronel Fawcett, relatada por Antônio Callado, e que desapareceu com o filho nos confins do Mato Grosso, ou da Bahia, em circunstâncias jamais esclarecidas com precisão.
 
A conseqüência dessas constantes investidas foi o surgimento de uma copiosa literatura, nos mais variados gêneros, incluindo-se as numerosas obras de ficção por elas inspiradas que constituem uma estante à parte, a chamada Literatura Nortista ou Amazônica.
 
Nestes últimos tempos um novo e destemido expoente dessa literatura ambientada na selva e sujeita ao império das águas está se destacando em nossas letras pela forma inovadora com que vem construindo seus romances. Refiro-me a Nicodemos Sena, paraense radicado em São Paulo, cujo romance A noite é dos pássaros (Editora Cejup, Belém, 2003) acabo de ler fascinado. É o segundo romance do autor, enriquecido por excelentes ilustrações de João Castilho Neto.
 
O romance registra os padecimentos do fictício naturalista português Alexandre Rodrigo Ferreira que, em 1750, por azares da sorte, caiu prisioneiro dos tupinambás e assim foi mantido por longo tempo até que decidissem devorá-lo em rituais de canibalismo explícito. É nesse ambiente de terrível expectativa da morte próxima que o jovem cientista vai narrando os sucessos daqueles dias angustiantes. Através dos olhos do personagem o romancista revela o mundo surpreendente da floresta, a vida indígena em suas minúcias, seus costumes e crenças, envoltas estas num rico emaranhado de mitos, símbolos, entidades, sortilégios, deuses e demônios. Protegido por Potira, filha do cacique, ele escapa por muito pouco de se transformar em piéce de résistence de monumental banquete a céu aberto. Durante esse tempo todo, vai o leitor vivendo com ele, entre sustos e alívios, esperança e desespero, e aprendendo muito daquela realidade que o autor transmite no correr da narrativa, inclusive momentos poéticos como o amor devotado da indiazinha, a lua tisnada de sangue e o cordão alado que desce da lua, formado pela passarada insubmissa que dá título ao romance.
 
Chama a atenção do leitor a gama de conhecimentos sobre a Amazônia e a cultura indígena que o autor domina, sem a qual seria impossível a construção deste romance. Começando pelo uso do tupi antigo, visando a melhor verossimilhança, que o levou a complexos e exaustivos estudos, o mergulho profundo no modo de vida indígena, a reconstituição segura de suas aldeias, organização social, econômica, religiosa e tudo o mais, de forma a desenhar um painel nítido da difícil existência dos primitivos brasileiros.
 
Ficam gravadas a fundo na memória do leitor as cenas de canibalismo, descritas com extremo realismo, desde o tratamento preparatório dispensado à vítima até sua execução, com golpes de borduna, para ser devorado num festim macabro à luz de fogueiras e ao som de estranhos cânticos. No fundo, ressurgindo com intermitência na memória do personagem, a figura de outro estrangeiro que vivera aventura semelhante, relatada no primeiro livro publicado sobre o Brasil – Hans Staden.
 
Como tantas vezes ocorre com a boa ficção, o romance de Nicodemos Sena é um documento mais útil e veraz da vida amazônica da época que muitos trabalhos históricos e científicos. Mais proveito tirará o historiador e o antropólogo de sua leitura que do exame de volumosas obras de outros gêneros. Com esse livro, o autor paraense conquista um espaço definitivo dentro da ficção brasileira.
 
_________________
*Enéas Athanázio é escritor catarinense, autor, entre outros, de O cavalo inveja e a mula manca (contos)

Faça seu comentário, dê sua opnião!

Imprimir
Voltar
Página Inicial

Destaques

Autores Selvagens

Autor

» João Batista de Andrade

Nasceu na cidade mineira de Ituiutaba, em 1939, e vivenciou complexos momentos da recente história do Brasil, como o período da Ditadura Militar (1964-1985). Premiado e aclamado como cineasta, sempre alimentou entranhada relação com a literatura, que se manifesta em sua filmografia, quer na urdidura dos roteiros, quer na transposição para as telas de obras literárias, como os romances "Doramundo" (Geraldo Ferraz), "Veias e Vinhos" (Miguel Jorge) e "O Tronco" (Bernardo Élis). Enquanto colhe louros como cineasta, vai publicando os seus livros, sete até este momento (o último intitula-se "Confinados: memórias de um tempo sem saídas").

Colunas e textos Selvagens

© 2008 Associação Cultural LetraSelvagem - Todos os Direitos Reservados.