Editora LetraSelvagem

Editora e Livraria Letra Selvagem

Literaura Brasileira

Os melhores escritores do Brasil

Ricardo Guilherme Dicke

Romance, Poesia, Ficção

Deus de Caim

Olga Savary

Nicodemos Sena

Edivaldo de Jesus Teixeira

Marcelo Ariel

Tratado dos Anjos Afogados

LetraSelvagem Letra Selvagem

Santana Pereira

Sant´Ana Pereira

Romance

Nicodemos Sena

Invenção de Onira

A Mulher, o Homem e o Cão

A Noite é dos Pássaros

Anima Animalista - Voz de Bichos Brasileiros

A Espera do Nunca mIas (uma saga amazônica)

O Homem Deserto Sob o Sol

Romancista

Literatura Amazonense

Literatura de Qualidade

Associação Cultural Letra Selvagem

youtube
Destaque Cadastre-se e receba por e-mail (Newsletter) as novidades, lançamentos e eventos da LetraSelvagem.

Artigos

Fonte maior
Fonte menor
Poesia sempre
Página publicada em: 14/06/2008
Antonio Houaiss*
"Laus amori" (louvado seja o amor), diz Antonio Houaiss, em Prefácio ao livro "Magma", de Olga Savary (Rio de Janeiro, 27 de julho de 1981)
Olga Savary conquistou, com garbo de fundas e discretas emoções, seu espaço poético em nossa língua. É senhora, também, de outro espaço relevante para a construção do Homem comum – a tradução.
 
Mas, mesmo que se admita no poeta o fingidor de fingimentos de fictos e fictícios mitos em que ele (e nós) acaba crendo, é difícil ver neste poeta a criadora de uma mitologia do amor.
O que se tem aqui é um hinário do amor – e do amor mais antigo e mais futuro, o amor da fêmea pelo macho, mas fêmea com o uso da palavra – essa criação  humana que faz presente, in abstracto, o concreto ausente.
 
Ao poetar estes poemas, o poeta reviveu e previve com palavras o amor fruído e o amor fruendo, o amor amado e o amor amando – mas o amor que é delírio, que é embate, que é roçagar, que é atrito, que é rijeza, que é unidade (águas e águas e águas, nestes poemas), que anseia e que é repouso não desejado: essa é a luta que se quisera eterna.
 
Estes poemas eróticos são de beleza e alteza sem-par. E o são em face de quaisquer grandes eróticos de nossa língua – desde os que fazem, deste amor de carne e emoção, matéria que tangencia ou invade o pornográfico e pornofônico, até os que fazem, deste amor de carne e emoção, recanto de lúbricas e concupiscentes insinuações interditas ou inconfessáveis como se inefadas ou inefáveis.
 
Nestes poemas há algo de antigo e de futuro, como é o amor de carne e emoção: há aqui toda a alegria da revelação dessa voracidade recíproca a dois que cada parelha crê que nunca houve antes como tal e nunca haverá depois como tal: e há mais – sem porco-chauvinismo nem porco-feminismo –, há a descoberta das palavras que salvam esse amor da degradação, mas não o elevam a platonismos insanos. Não: estes são atos de amor, atos de amar, atos de cantar o amor praticado, ato de cantar o amor entranhado, situando-o, neste nosso dia a dia de asperezas e mágoas e sofrimentos e baixezas e mercancias, como o bem que nos justifica e justifica viver.
 
Há, aqui, assim, sexo, conjunção, esperma, uróboro – a serpente que devora a própria cauda –e o que mulher (ou homem) que ama homem (ou mulher) se empenha em criar e fazer para as alegrias do amor.
 
As palavras – nas condições de moral classificatória que põe em certa má classe os que usam de certas palavras – foram, coitadinhas, não raro prostituídas, sobretudo para a poesia do amor deste amor.  O poeta, este aqui, perspicacíssimo, as evita para fugir ao equívoco infame. Mas compensatoriamente reinventa polissemias maravilhosas, graças às quais – poeta que é –, trabalhando as palavras, lhes dá velhos e novos sentidos, concomitantes, para viver e reviver e anteviver antigos e novos e eternos amares e amores. Sua total objetividade se casa à total verbalidade, para criar simbolicidade que é a prática verbal do amor revigorante do amor, enquanto palavras preparatórias (de novo e sempre) do amor.
Laus amori – louvado seja o amor – é o que nos mostra Olga.
 
___________
*Antonio Houaiss, escritor e crítico, da Academia Brasileira de Letras
 

Faça seu comentário, dê sua opnião!

Imprimir
Voltar
Página Inicial

Autores Selvagens

Autor

» Silas Corrêa Leite

Começou a escrever aos 16 anos, no jornal "O Guarani", de Itararé, no Estado de São Paulo. Autor do hino ao Itarareense e relator da ONG Transparência nas Políticas Públicas. Crê no humanismo e critica o "Brasil S/A". Vê a arte como instrumento de libertação (Manuel Bandeira); seus textos apresentam-se como um testemunho das amarguras de seu tempo de lucros globalizados e injustos e riquezas impunes de um neoliberalismo insano de privatarias e o inumano neoescravismo da terceirização.

Colunas e textos Selvagens

© 2008 - 2021 - Editora e Livraria Letra Selvagem - Todos os Direitos Reservados.