Editora LetraSelvagem

Literaura Brasileira

Os melhores escritores do Brasil

Ricardo Guilherme Dicke

Romance, Poesia, Ficção

Deus de Caim

Olga Savary

Nicodemos Sena

Edivaldo de Jesus Teixeira

Marcelo Ariel

Tratado dos Anjos Afogados

LetraSelvagem Letra Selvagem

Santana Pereira

Sant´Ana Pereira

Romance

Nicodemos Sena

Invenção de Onira

A Mulher, o Homem e o Cão

A Noite é dos Pássaros

Anima Animalista - Voz de Bichos Brasileiros

A Espera do Nunca mIas (uma saga amazônica)

O Homem Deserto Sob o Sol

Romancista

Literatura Amazonense

Literatura de Qualidade

Associação Cultural Letra Selvagem

youtube
Destaque Cadastre-se e receba por e-mail (Newsletter) as novidades, lançamentos e eventos da LetraSelvagem.
Lançamento do livro K - O escuro da semente

Artigos

Fonte maior
Fonte menor
Dinastia de luas, sons noturnos
Página publicada em: 02/04/2008
Jorge Amado*
Prefácio escrito por Jorge Amado para "Altaonda", 3º livro de poesia de Olga Savary (1979)
O Editor Massao Ohno e as Edições Macunaíma, após as belas edições dos importantes livros dos poetas baianos Florisvaldo Matos e Myriam Fraga, e do baiano por adoção e cidadania Odorico Tavares, em 1975, inauguram  o ano de 1979 indo buscar no Rio de Janeiro os originais de um poeta paraense, um grande poeta: Olga Savary.  Ampliam  assim essas editoras sua órbita de ação, saindo de seus territórios para abarcar a poesia brasileira em sua maior geografia.  Não assumo aqui a discussão sobre o acerto ou desacerto da medida, apenas quero louvar o acerto da escolha dos originais e do poeta.
 
Com  Altaonda, Olga  Savary confirma tudo quanto nos revela em Espelho Provisório e Sumidouro, e indica uma abertura de caminho, uma densidade ainda maior nos temas e na forma: “aqui é meu começo”, diz o poeta — é sua continuidade, seu ir avante no “mapa de esperança”,  “rumo da solidão de meu pés”.
 
As publicações de Espelho Provisório e de Sumidouro foram objeto de prêmios literários, os poemas utilizados em concertos de música erudita e da MPB, e a crítica  saudou os volumes e o poeta com verdadeiro entusiasmo. Antonio Carlos Villaça pergunta, e que afirmação nessa pergunta!: – “Será Cecília rediviva?”.
 
Hélio Pólvora constata: “Não há gratuidade nesta poesia. Olga Savary exercita o poema como um instrumento condicionante, jamais condicionado”,  definindo o compromisso do poeta.
 
Bernardo Élis, num artigo ditado pela emoção, resultante da leitura dos poemas de Espelho Provisório, exclama: “Que estranha sensação de crueldade me envolveu naquela tarde (em que li seus versos).  Era essa crueldade  mais cruel, essa dor que dói num lugar que a gente não identifica.”
 
O professor Joaquim-Francisco Coelho, da Stanford University, Califórnia, prevê:  “A poesia de Olga Savary poderia vir a ocupar um lugar análogo ao de Clarice Lispector na prosa brasileira, ela também cria uma linguagem capaz de exprimir estados de espírito que geralmente existem para além das palavras.”
 
Basta de citações: já estou, pobre romancista, bem apoiado em mestres da crítica para a louvação de Altaonda e para buscar um parentesco de qualidade entre os poemas de Savary e os do poeta, o “menino antigo”, a quem o livro é dedicado, mestre Carlos Drummond de Andrade.
 
A economia no dizer, o corte brusco da emoção, a revelação inesperada da vida na dureza, na crueldade e na fraternidade, no amor.  A lição do menino antigo se faz ofício de quem é “nau submersa, árvore áspera”.  Em “dinastia de luas, sons noturnos”.
 
“Os pés sabem tudo, todos os caminhos – ou quase”, conta Olga Savary expondo a despida verdade de suas escamas.  A água, a costa, os peixes e as gaivotas mortas, o curumi encontrado e perdido,  o afundado salitre, a espuma, as raízes do mar – “a terra é memória antiga” – eis ALTAONDA, homenagem a Drummond, completada pela extrema beleza das gravuras de outro mestre, Calasans Neto, difundida pela Massao Ohno/Edições Macunaíma.
“Não sei muita coisa do mar mas acho
que ele é um cavalo posto a pique...”
 
Do  mar e da poesia, ela sabe de um saber completo. Cavalga o mar, no galope submerso, as crinas de guizos, lentamente lunar.  Aqui está inteira em seu livro, em seu búzio, Olga Savary.
 
________ 
*Jorge Amado é o romancista brasileiro mais conhecido no mundo, autor, entre outros, de Gabriela, Cravo e Canela  

Faça seu comentário, dê sua opnião!

Imprimir
Voltar
Página Inicial
© 2008 Associação Cultural LetraSelvagem - Todos os Direitos Reservados.