Editora LetraSelvagem

Literaura Brasileira

Os melhores escritores do Brasil

Ricardo Guilherme Dicke

Romance, Poesia, Ficção

Deus de Caim

Olga Savary

Nicodemos Sena

Edivaldo de Jesus Teixeira

Marcelo Ariel

Tratado dos Anjos Afogados

LetraSelvagem Letra Selvagem

Santana Pereira

Sant´Ana Pereira

Romance

Nicodemos Sena

Invenção de Onira

A Mulher, o Homem e o Cão

A Noite é dos Pássaros

Anima Animalista - Voz de Bichos Brasileiros

A Espera do Nunca mIas (uma saga amazônica)

O Homem Deserto Sob o Sol

Romancista

Literatura Amazonense

Literatura de Qualidade

Associação Cultural Letra Selvagem

youtube
Destaque Cadastre-se e receba por e-mail (Newsletter) as novidades, lançamentos e eventos da LetraSelvagem.
Lançamento do livro K - O escuro da semente

Críticas

Fonte maior
Fonte menor
Sombras sobre a terra
Página publicada em: 13/01/2017
Fernando Py
"Apesar de ser um romance realista, Sombras Sobre a Terra mostra ao leitor, no seu background poético, um sentimento íntimo de solidariedade para com as pessoas desprotegidas e desprovidas de esperança." Confira na íntegra a resenha escrita pelo crítico carioca Fernando Py sobre "Sombras Sobre a Terra"(texto publicado originalmente na "Tribuna de Petrópolis", Rio de Janeiro, em 09.12.2016)
Um autor fundamental para a literatura uruguaia do século passado, Francisco Espínola (1901-1973) estranhamente era ainda inédito fora do país natal. Agora essa condição foi rompida com a publicação de seu grande romance Sombras sobre a terra (Taubaté: LetraSelvagem, 2016; tradução e notas de Erorci Santana; prólogo da terceira edição urugauaia por Alberto Zum Felde; prefácio do ensaísta uruguaio Leonardo Garet; "orelhas" de Ronaldo Cagiano e nota do editor Nicodemos Sena). Sombras sobre a terra possui um valor irrecusável de análise social e extraordinário alcance existencial.
 
O romance trata da vida e das ligações humanas nas casas noturnas e bordéis. O personagem principal é Juan Carlos, órfão de pai assassinado e mãe que morreu tuberculosa. Vivendo num casarão aos cuidados de uma negra, cresce na zona meretrícia do Baixo, no meio de prostitutas, cafetões e outros marginais. E é ali que o rapaz encontra proteção e se refugia do mundo, conhecendo o amor.
 
Entretanto, o romance não tem um enredo próprio: é composto de vários episódios que na verdade formam aspectos do jeito de ser da vida de pessoas que percorrem aquela espécie de anti-mundo, um universo de horror e miséria. Contudo, a prostitutas são essencialmente humanas, e mesmo os homens que vivem do ofício delas não apresentam crueldade nem vileza, são apenas pessoas apaixonadas pelas suas amantes. Talvez por isso, o autor, ao contrário do que se poderia esperar, não exibe cenas eróticas eróticas de amor tórrido. Existe algum desencanto nas cenas de um bordel em que sempre haverá um cantor de tangos e demais melodias típicas. E sempre aparece um lamento acerca do destino dessa vida à margem da sociedade, uma espécie de preparação para a morte. Porém, apesar de ser um romance realista, Sombras sobre a terra mostra ao leitor, no seu background poético, um sentimento íntimo de solidariedade para com as pessoas desprotegidas e desprovidas de esperança.
 
Por outro lado, podemos verificar que a história toda se passa num ambiente de sombras e seres noturnos, ambiente que se  entranha nas personagens e torna mais escuras ainda as criaturas criadas por Espínola. Juan Carlos possui uma amante, a Nena, e ela lhe configura a mãe morta. Vemos, por fim, que ele não tem um destino: o romance deixa em aberto o final da narrativa e não sabemos qual o destino de Juan Carlos. Nena sente a forte possibilidade da separação dos dois quando, durante seu último encontro, num passeio pelo rio, grita o nome do amado e o eco não lhe responde. Terá Juan Carlos morrido ou simplesmente se afastado do Baixo? Seja como for, Sombras sobre a terra é uma obra que merece uma leitura interessada, e sobre a qual convém meditar.
 
___________
*Fernando Py é poeta, crítico literário e tradutor brasileiro. Traduziu para o portruguês a monumental obra proustiana Em Busca do Tempo Perdido (Ed. Ediouro, 2002, RJ)

Faça seu comentário, dê sua opnião!

Imprimir
Voltar
Página Inicial

Autores Selvagens

Autor

» Fábio Lucas

Professor, ensaísta, tradutor, crítico e teórico da literatura, lecionou em seis universidades norte-americanas, cinco universidades brasileiras e uma portuguesa. Dirigiu o Instituto Nacional do Livro em Brasília, bem como a Faculdade Paulistana de Ciências e Letras. É autor de mais de 50 obras de crítica e ciências sociais. Considerado um dos mais importantes críticos e conferencistas internacionais de literatura brasileira.

Colunas e textos Selvagens

© 2008 Associação Cultural LetraSelvagem - Todos os Direitos Reservados.