Editora LetraSelvagem

Editora e Livraria Letra Selvagem

Literaura Brasileira

Os melhores escritores do Brasil

Ricardo Guilherme Dicke

Romance, Poesia, Ficção

Deus de Caim

Olga Savary

Nicodemos Sena

Edivaldo de Jesus Teixeira

Marcelo Ariel

Tratado dos Anjos Afogados

LetraSelvagem Letra Selvagem

Santana Pereira

Sant´Ana Pereira

Romance

Nicodemos Sena

Invenção de Onira

A Mulher, o Homem e o Cão

A Noite é dos Pássaros

Anima Animalista - Voz de Bichos Brasileiros

A Espera do Nunca mIas (uma saga amazônica)

O Homem Deserto Sob o Sol

Romancista

Literatura Amazonense

Literatura de Qualidade

Associação Cultural Letra Selvagem

youtube
Destaque Cadastre-se e receba por e-mail (Newsletter) as novidades, lançamentos e eventos da LetraSelvagem.

Críticas

Fonte maior
Fonte menor
O diário de um médico (louco)
Página publicada em: 03/11/2012
Manoel Hygino dos Santos
O relato de um homem que chegou ao "fim do túnel" e não encontrou aí luz alguma, esperança ou caminho.(Resenha publicada no jornal HOJE EM DIA, 18/10/2012, Belo Horizonte)
Diário um médico louco é mais do que ficção. O autor, Edson Amâncio, mineiro de Sacramento, no Triângulo Mineiro, é realmente médico, mas não louco. Uma das cenas mais impressionantes acontece logo no início do romance, quando um universitário de Medicina recebe, como prêmio por seu curso, um cadáver fresco para dissecar. Um corpo nesse estado é muito diferente dos conservados meses em formol.
 
O corpo que lhe foi entregue, ele sozinho na sala de dissecação, era de um obeso, deitado sobre a laje do cimento, ainda vestido como saíra da enfermaria. Detalhes não importavam, o que valia era a experiência para o jovem operador. A descrição dos atos seguintes são macabros. Tão logo o bisturi penetrou a carne macia, o defunto emitiu um grito tão pavoroso que se repetiu noites de atormentado sono do quase médico. Sentiu que teria cometido um assassínio, sem presença de testemunhas. A carreira se encerrava antes de começar. E ele se transformara um assassino frio. E o que diria a Imprensa? “Jovem estudante de Medicina mata cadáver na aula de anatomia”. Era o início macabro de uma carreira a ser definida e vivida.
 
No decorrer do diário, o protagonista contesta teorias dos sábios gregos, mas confirma que desde a antiguidade se sabe sobre os humores capazes de produzir moléstias diferentes. Mas acha que o fim das velhas teorias muito se deve à máfia da indústria farmacêutica.
Quanto ao seu diário, o personagem planejara escrever 14 mil páginas, como Amiel. Mas raciocinou: “Alguém que se propõe escrever 14 mil páginas de um diário não estaria com o miolo mole?”
 
Mas quem está com miolo mole jamais pensa estar com miolo mole. E teria vida para tamanha empreitada? Escreveria 38 páginas e meia por dia, durante 365 dias. Mas ele tinha outras atividades, de modo que estabeleceu uma série de rigorosas regras para seu propósito. E suas dúvidas e perquirições eram imensas, não conseguia desfazer-se delas.
 
Com 45 anos, tornara-se celibatário convicto e resignado, depois de três casamentos frustrados. Somando desventuras e desafios, após visitar a Rússia e comparecer a velórios, chegou à conclusão de que “todo homem tem um limite”. Chegara ao final, ao fim do túnel, mas não havia luz alguma, esperança ou caminho.
 
No mais, é como novela de televisão. Aguarde o próximo capítulo. E o livro é rico em surpresas, patrocinadas pela Letra Selvagem.
 
____________________
*Manoel Hygino dos Santos é membro da Academia Mineira de Letras
 

Faça seu comentário, dê sua opnião!

Imprimir
Voltar
Página Inicial

Autores Selvagens

Autor

» Mariano Azuela

Escritor mexicano do século XX dos mais fecundos, de aguçada preocupação social; seus romances rompem os limites do gênero épico e constituem-se num marco inquestionável da Literatura latino-americana. Na apresentação desta primeira edição brasileira de "Os de baixo", outro grande escritor mexicano, Carlos Fuentes, escreve: "Debaixo dessa lápide de séculos saem os homens e mulheres de Azuela: são as vítimas de todos os sonhos e todos os pesadelos do Novo Mundo".

Colunas e textos Selvagens

© 2008 - 2021 - Editora e Livraria Letra Selvagem - Todos os Direitos Reservados.