Editora LetraSelvagem

Literaura Brasileira

Os melhores escritores do Brasil

Ricardo Guilherme Dicke

Romance, Poesia, Ficção

Deus de Caim

Olga Savary

Nicodemos Sena

Edivaldo de Jesus Teixeira

Marcelo Ariel

Tratado dos Anjos Afogados

LetraSelvagem Letra Selvagem

Santana Pereira

Sant´Ana Pereira

Romance

Nicodemos Sena

Invenção de Onira

A Mulher, o Homem e o Cão

A Noite é dos Pássaros

Anima Animalista - Voz de Bichos Brasileiros

A Espera do Nunca mIas (uma saga amazônica)

O Homem Deserto Sob o Sol

Romancista

Literatura Amazonense

Literatura de Qualidade

Associação Cultural Letra Selvagem

youtube
Destaque Cadastre-se e receba por e-mail (Newsletter) as novidades, lançamentos e eventos da LetraSelvagem.
Lançamento do livro K - O escuro da semente

Críticas

Fonte maior
Fonte menor
Um porto mítico na Amazônia
Página publicada em: 30/03/2012
Alessandro Atanes
Conjunção de Mito e História engendrada pela ficção. Ação concreta através da qual é possível deslocar os indivíduos entre o mundo velho e o mundo novo. Exteriorização da transformação utópica que a viagem à mítica Cabânia simboliza. (Texto publicado originalmente no site Portogente: ttp://www.portogente.com.br/texto.php?cod=62199)
Invenção de Onira (1988), romance do autor paraense Sant’Ana Pereira, tem como pano de fundo os eventos da Revolução Cabana (1835-1840),  a Cabanagem, revolta na província do Grão-Pará devido à péssima condição de vida das camadas mais baixas da população impulsionada ainda pela insatisfação das elites locais com o poder central em um país independente há pouco tempo e ainda em formação. A escrita do autor transforma o fato histórico em mito, isto é, algo “capaz de envolver indivíduos e grupos de uma forma totalizante” (Gilberto Velho). É como quando afirmamos que Santos é a terra da liberdade e da caridade: não é algo nem falso nem verdadeiro, é apenas simbólico.
 
No romance, líderes do movimento reúnem uma população em direção à Cabânia, capital mítica da nação amazônica emancipada. Escrevendo sobre o romance, o professor e antropólogo Dedival Brandão da Silva, além da consideração do primeiro parágrafo, afirma que a viagem tem papel especial nessa conjunção entre Mito e História engendrada pela ficção: é a “ação concreta através da qual é possível deslocar os indivíduos” entre o mundo velho e o mundo novo, e, ao mesmo tempo, é também a “exteriorização” da transformação utópica que a viagem à Cabânia simboliza.
 
Como qualquer viagem, a viagem mítica também deve começar por algum lugar. E é por um porto que a viagem e o livro começam:
 
As embarcações amanheceram em frente ao porto da vila. Nada menos do que cento e setenta sete. Dali, da vila de Itaituba, à margem esquerda do rio Tapajós, um pouco mais acima Jacareacanga e as cachoeiras, começaria a grande retirada. Cinco horas da manhã, o primeiro a despertar, alguém bradou a notícia:
- Olha os navios, pessoal!
Efeito instantâneo, do chão onde se achavam deitados, cabeças e corpos se foram erguendo, a notícia repercutindo. Dentro em pouco, o trapiche não cabia mais ninguém. Ancoradas em filas indianas, a duzentos metros do porto, as embarcações constituíam o mudo espetáculo para quem caminhara dias e dias de distância ou pelo menos algumas dezenas de léguas de beiço. Mesmo aqueles que tinham vindo sem convicção se mostravam empolgados. A maioria, senão todos, jamais vira um navio tão de perto.
 
O ensaio de Brandão da Silva está no posfácio da terceira edição do livro, publicada em 2009 pela LetraSelvagem, da qual um exemplar foi enviada à coluna junto com outros livros da casa editorial, pelo que agradeço a Nicodemos Sena. A primeira edição e a segunda, sob o título Cabanos Capital Cabânia, foram publicadas pela Cejup, de Belém, respectivamente em 1988 e 1998.
 
A apresentação do autor e críticas sobre o livro podem ser lidas aqui.
 
_________________
* Alessandro Atanes, jornalista, é mestre em História Social pela Universidade de São Paulo (USP). Servidor público de Cubatão, atua na assessoria de imprensa da prefeitura do município.

Faça seu comentário, dê sua opnião!

Imprimir
Voltar
Página Inicial
© 2008 Associação Cultural LetraSelvagem - Todos os Direitos Reservados.