Editora LetraSelvagem

Literaura Brasileira

Os melhores escritores do Brasil

Ricardo Guilherme Dicke

Romance, Poesia, Ficção

Deus de Caim

Olga Savary

Nicodemos Sena

Edivaldo de Jesus Teixeira

Marcelo Ariel

Tratado dos Anjos Afogados

LetraSelvagem Letra Selvagem

Santana Pereira

Sant´Ana Pereira

Romance

Nicodemos Sena

Invenção de Onira

A Mulher, o Homem e o Cão

A Noite é dos Pássaros

Anima Animalista - Voz de Bichos Brasileiros

A Espera do Nunca mIas (uma saga amazônica)

O Homem Deserto Sob o Sol

Romancista

Literatura Amazonense

Literatura de Qualidade

Associação Cultural Letra Selvagem

youtube
Destaque Cadastre-se e receba por e-mail (Newsletter) as novidades, lançamentos e eventos da LetraSelvagem.
Lançamento do livro K - O escuro da semente

Críticas

Fonte maior
Fonte menor
Em plena selva
Página publicada em: 08/06/2011
Manoel Hygino dos Santos
"O universo de Nicodemos Sena supera e ofusca o que de mais impressionante no campo da saga já se publicou no Brasil" (Publicado no jornal "Hoje em Dia", 19/03/2011, Belo Horizonte - MG)
Pela LetraSelvagem, foi publicado o romance A Mulher, o Homem e o Cão, com os substantivos começando em caixa-alta, isto é, em maiúscula. E o leitor certamente reconhecerá a relevância desse cuidado, quando ler o romance de Nicodemos Sena, um paraense que, após viver boa parte da vida na Amazônia, decidiu instalar-se no estado de São Paulo.
 
Em entrevista, no ano que passou, Sena declarou: "Desde que saí da Amazônia, experimento uma espécie de exílio dentro do meu próprio país". Confessa mais sobre seu terceiro romance: "Escrevi-o com um sentimento de melancolia profundo, que às vezes me domina quando me recordo da pátria - mítica e simbólica - ausente. Por ter vivido no oco do mundo, conheço a noite que existe dentro do caroço de que fala um mito indígena".
 
Em A Mulher, o Homem e o Cão, o autor alcança o mais mágico e misterioso do que existiria mesmo no âmago da saga da região em que nasceu. De uma hora para outra, o leitor se deixa envolver, enfeitiçar, pelo mistério da floresta e dos seres fabulosos que a habitam.
 
Contrariando o marido, a Mulher - os personagens no romance não têm nomes - decidiu nadar nas águas claras do rio. Despiu-se, e embora tendo a sensação de que era observada. Sentiu medo, leve, fora do mundo, quis levantar-se das águas, não conseguiu. A cabeça rodopiou e os olhos giraram para um canto do rio, onde avistou, em meio à névoa, a coisa mais esquisita: "Eram uns olhinhos negros brilhantes, visguentos e viperinos, primitivos e sagazes, que me espreitavam. Fiz o sinal da cruz e balbuciei um ai Jesus! e, sentindo que ia desmaiar, tive, nesse justo momento, a visão plena da coisa que se escondia na névoa. Era uma criatura vermelha, de pela escamosa, que tinha sete cabeças e dez chifres, e sobre as suas cabeças sete diademas".
O espantoso ser, contudo, saudou-a respeitosamente, como "princesa e senhora", com "voz doce e melodiosa". As palavras vinham de uma, depois de outra cabeça. "Salve, minha deusa, pois divina podes vir a ser".
 
Estas são as primeiras cenas desse romance de pouco mais de 130 páginas, em que - mais uma vez - o escritor se revela em intensidade e imaginação.
 
O universo de Nicodemos Sena supera e ofusca o que de mais impressionante no campo da saga já se publicou no Brasil.
 
Os questionamentos do comportamento humano surgem ao longo da narrativa, e muitos ensinamentos são dados pelas estranhas figuras que povoam o mundo fantástico que o Homem descobriu e visitou.
 
Estimulado pelo estranho ser, o Homem se sente outro e nesse clima flui o romance: "Experimentei uma sensação inteiramente nova, como se, num átimo de segundo, tivesse adquirido a consciência de uma ruptura do limite entre a matéria e o espírito. Uma voz, que parecia vir lá do fundo, disse-me: - O passado e o futuro são a mesma coisa, vives nos antepassados e os antepassados vivem em ti".
_____________________
*Manoel Hygino dos Santos é escritor e crítico literário, membro da Academia Mineira de Letras

Faça seu comentário, dê sua opnião!

Imprimir
Voltar
Página Inicial
© 2008 Associação Cultural LetraSelvagem - Todos os Direitos Reservados.