Editora LetraSelvagem

Editora e Livraria Letra Selvagem

Literaura Brasileira

Os melhores escritores do Brasil

Ricardo Guilherme Dicke

Romance, Poesia, Ficção

Deus de Caim

Olga Savary

Nicodemos Sena

Edivaldo de Jesus Teixeira

Marcelo Ariel

Tratado dos Anjos Afogados

LetraSelvagem Letra Selvagem

Santana Pereira

Sant´Ana Pereira

Romance

Nicodemos Sena

Invenção de Onira

A Mulher, o Homem e o Cão

A Noite é dos Pássaros

Anima Animalista - Voz de Bichos Brasileiros

A Espera do Nunca mIas (uma saga amazônica)

O Homem Deserto Sob o Sol

Romancista

Literatura Amazonense

Literatura de Qualidade

Associação Cultural Letra Selvagem

youtube
Destaque Cadastre-se e receba por e-mail (Newsletter) as novidades, lançamentos e eventos da LetraSelvagem.

Críticas

Fonte maior
Fonte menor
"O Sal da Terra" intensifica o abominável da realidade
Página publicada em: 04/12/2010
Nelson de Oliveira
Trama regional transforma salina no Ceará em cenário de ficção científica (Resenha publicada originalmente na "Folha de São Paulo", Caderno Ilustrada, 27/11/2010)
O primeiro romance de Caio Porfírio Carneiro, O Sal da Terra, publicado originalmente em 1965 e agora relançado, pisa em território virgem na literatura brasileira: "O mundo branco e desconhecido do sal no Nordeste, visto de dentro". Quem afirma é o escritor João Antônio, nas orelhas do livro.
 
A expressão "pisar em território virgem" sugere, ao cidadão metropolitano, uma cena de aventura: o primeiro explorador a pisar na Antártida ou o primeiro astronauta a pisar na Lua.
 
E é exatamente essa a façanha que o livro realiza: uma aventura trágica num mundo branco e desconhecido.
 
A trama se passa no Ceará, mais especificamente na salina São Francisco e em suas adjacências. Pirâmides de sal apontam para o céu, como num cenário de ficção científica. Tarefeiros, prostitutas, crianças e assassinos formam os párias desse mundo alienígena.
 
Os personagens vão se definindo pela ausência de definição, pelo que não é dito explicitamente. Os diálogos quase não dialogam. A narração é feita de períodos curtos e magros.
 
Cada ponto e cada vírgula revelam-se como mais um pequeno torrão de sal cristalizando o enredo.
 
Porém, por mais áspera e degradante que seja a realidade expressa no livro, é difícil não se apaixonar por ela.
 
Essa é a maldição dialética da literatura de qualidade: ao representar o abominável, a literatura o aviva de maneira intensa, imaginosa, colorida. A tal ponto que a realidade expressa no romance já não é mais a realidade original, pobre e hostil. É outra coisa. É poesia.
 
REGIONALISMO
 
Aqui não há heróis nem anti-heróis. Há apenas gente sem resistência, descalça e doente.
 
Mestre Nonato, Cego Delfino, Zé-Rodrigues, Guedegue, o menino Bibio e a louca Cristina são figuras sonâmbulas cravadas na estrutura e na paisagem que as condicionam. Sua inconsciência, intensificada pela prosa econômica, é comovente.
 
Nós já estamos em outra dimensão, em outra cultura, onde o branco agora significa contaminação.
 
O escritor Léo Godoy Otero, autor do romance O Caminho das Boiadas, certa vez propôs um parentesco curioso.
 
Ele afirmou que, por apresentar um vocabulário e uma realidade estranhos à massa de leitores metropolitanos, a literatura regionalista assemelha-se à ficção científica.
 
O jargão rural, as pirâmides e os párias de O Sal da Terra apoiam essa inusitada analogia.
 
________________________________________
*Nelson de Oliveira é autor de Poeira: Demônios e Maldições (Língua Geral)

Faça seu comentário, dê sua opnião!

Imprimir
Voltar
Página Inicial

Autores Selvagens

Autor

» Caio Porfírio Carneiro

Legenda viva da narrativa brasileira. Legítimo representante da melhor literatura que a crítica convencionou chamar de "nordestina". Depois de José Américo de Almeida, José Lins do Rego e Graciliano Ramos, foi o autor capaz de despertar o leitor brasileiro para o problema antigo - mas tratado de um ponto de vista completamente novo - do insalubre e degradante mundo das salinas do Nordeste brasileiro, onde o homem é colocado na antecâmara do próprio Inferno.

Colunas e textos Selvagens

© 2008 - 2021 - Editora e Livraria Letra Selvagem - Todos os Direitos Reservados.