Editora LetraSelvagem

Editora e Livraria Letra Selvagem

Literaura Brasileira

Os melhores escritores do Brasil

Ricardo Guilherme Dicke

Romance, Poesia, Ficção

Deus de Caim

Olga Savary

Nicodemos Sena

Edivaldo de Jesus Teixeira

Marcelo Ariel

Tratado dos Anjos Afogados

LetraSelvagem Letra Selvagem

Santana Pereira

Sant´Ana Pereira

Romance

Nicodemos Sena

Invenção de Onira

A Mulher, o Homem e o Cão

A Noite é dos Pássaros

Anima Animalista - Voz de Bichos Brasileiros

A Espera do Nunca mIas (uma saga amazônica)

O Homem Deserto Sob o Sol

Romancista

Literatura Amazonense

Literatura de Qualidade

Associação Cultural Letra Selvagem

youtube
Destaque Cadastre-se e receba por e-mail (Newsletter) as novidades, lançamentos e eventos da LetraSelvagem.

Críticas

Fonte maior
Fonte menor
A ironia e o desejo, entre céu e o inferno, na poesia de Olga Savary
Página publicada em: 26/12/2009
Reynaldo Valinho Alvarez*
Análise da obra "Éden Hades", no qual "a chave nostálgica de um mundo que não se perdeu porque, em essência, nunca foi encontrado" (Texto publicado na "LB – Revista de Literatura Brasileira", n. 17. São Paulo, 2000)
A coerência do título deste livro de Olga Savary começa com sua adequação ao poema inaugural da coletânea, coincidentemente denominado "Vida". Sim: trata-se da vida, este espaço intermédio que oscila entre o céu (Éden) e o inferno (Hades), ou seja: entre a pátria da eternidade e a mansão dos mortos.
 
É sobre esse fio imponderável e esgarçado da existência que o amor tenta equilibrar-se, batido pelo sopro inextinguível do tempo. Olga questiona as intervenções oportunas e inoportunas que questionam este trânsito por vezes insuportável. Por isso hesita entre a solidão insular e o assédio da matilha emergente de vozes em dissonância.
 
As contas metafóricas de um "Ábaco" imaginário, em que se calculam perdas e ganhos expressos em frases estereotipadas do coloquial, são apresentados à autora. Um a um, os dezessete poemas soltos e dispersos apenas na aparência unem-se pela identidade maior de quem se fere nas asperezas de cada dia, mas se recupera com a energia telúrica do seu desejo de existir.
Além de medíocre por sua inconsistência e avareza, o amor corrente é também um inimigo, comparável à mitológica Medusa. A insatisfação amorosa junta-se à sombra da morte, a indesejada das gentes, segundo Manuel Bandeira, disposta a irromper em pleno café da manhã, sob a forma de notícia de um afogamento.
 
As cenas mais ou menos amargas do cotidiano não se inscrevem num filme dramaticamente ressentido. Antes estão revestidas de certo humor melancólico de quem não se quebra ou abate, mas mantém sua lucidez diante do real concreto e de suas manifestações menos harmoniosas e sublimes.
 
O duelo de contrastes que revela a incongruência dos nomes em relação aos atributos das pessoas e das coisas conduz ao limbo, que já não é céu nem inferno, mas uma espécie de purgatório ou de esquecimento.
 
Nesta caminhada com a autora, chega-se ao encontro marcado de quatro irmãs: bom-dia, desesperança, boa noite, solidão. Vê-se portanto que o encontro não é encontro de fato mas puro e verdadeiro desencontro. O desencontro existencial justifica o camicase, o herói-suicida, que aceita, consciente, sua autodestruição.
 
O livro se fecha com o poema título, a chave nostálgica de um mundo que não se perdeu porque, em essência, nunca foi encontrado. Os deuses, segundo Olga, "riem de nós, perdem-nos ao nos buscar". Com isso, as últimas palavras desta breve coletânea assumem a força de uma declaração terrível: " tudo perde sentido / mal é pronunciado".
 
Não fosse o tom tão calmo, lúcido e contido destes dezessete poemas e estaríamos diante de um final mergulhado no mais atroz niilismo. " O poeta é fingidor" no sentido de quem recria e revive em si a dor que não é apenas sua mas universal. A poesia de Olga Savary cumpre seu papel de flagrar a inanidade dos seres, sem que a constatação a leve à desistência ou à omissão. Ao contrário, tem na ironia e no desejo sua melhor afirmação de vida, apesar dos deuses que fazem "ouvidos moucos" e se recusam a responder a nossas perguntas.
 
___________________
*Reynaldo Valinho Alvarez é poeta e crítico literário

Faça seu comentário, dê sua opnião!

Imprimir
Voltar
Página Inicial

Autores Selvagens

Autor

» Hernâni Donato

Hernâni Donato já foi chamado de "o homem dos sete instrumentos". Isto porque, aos 89 anos de idade, membro da Academia Paulista de Letras, é autor de mais de 70 livros, nos mais variados campos da atividade humana, indo da literatura infanto-juvenil à biografia, da historiografia aos costumes, da pesquisa à divulgação científica. Entre as numerosas traduções que realizou, destaca-se a da "Divina Comédia", de Dante Alighieri, em prosa e para divulgação entre o povo. Mas foi no romance que se deu a perfeita combinação do observador minucioso, na linha do cientista social, com o escritor de estilo claro e elegante. É o autor de "Selva Trágica", "Chão Bruto", "Rio do Tempo", "O Caçador de Esmeraldas" e "Filhos do Destino", sucessos editoriais nas décadas de 1950 e 60. Alguns críticos, como Abdias Lima (“Correio do Ceará”, 2/2/1977, Fortaleza, CE), aproximaram Hernâni Donato de Erskine Caldwell e John Steinbeck, a geração norte-americana da revolta, o Caldwell de "Chão Trágico" e o Steinbeck de "As Vinhas da Ira".

Colunas e textos Selvagens

© 2008 - 2021 - Editora e Livraria Letra Selvagem - Todos os Direitos Reservados.