Editora LetraSelvagem

Literaura Brasileira

Os melhores escritores do Brasil

Ricardo Guilherme Dicke

Romance, Poesia, Ficção

Deus de Caim

Olga Savary

Nicodemos Sena

Edivaldo de Jesus Teixeira

Marcelo Ariel

Tratado dos Anjos Afogados

LetraSelvagem Letra Selvagem

Santana Pereira

Sant´Ana Pereira

Romance

Nicodemos Sena

Invenção de Onira

A Mulher, o Homem e o Cão

A Noite é dos Pássaros

Anima Animalista - Voz de Bichos Brasileiros

A Espera do Nunca mIas (uma saga amazônica)

O Homem Deserto Sob o Sol

Romancista

Literatura Amazonense

Literatura de Qualidade

Associação Cultural Letra Selvagem

youtube
Destaque Cadastre-se e receba por e-mail (Newsletter) as novidades, lançamentos e eventos da LetraSelvagem.
Lançamento do livro K - O escuro da semente

Críticas

Fonte maior
Fonte menor
A saga de um naturalista devorado por canibais em ritmo de folhetim
Página publicada em: 05/12/2008
Dirce Lorimier Fernandes*
Neste texto, publicado originalmente no caderno Prosa & Verso do jornal "O Globo" (08/05/2004, Rio de Janeiro), são abordadas questões como o choque entre culturas e a combinação veracidade e ficcionalidade no romance de Nicodemos Sena
Depois de estrear em 1999 com A espera do nunca mais, uma saga amazônica de 876 páginas, prêmio Lima Barreto-Brasil 500 Anos da UBE/RJ, o paraense Nicodemos Sena reaparece com A noite é dos pássaros, seu segundo romance, uma dessas obras capazes de transitar entre os vários mundos a que pertence o homem.
 
De forma eloqüente, traz para o presente o diálogo entre a História e a Literatura dos séculos de desbravamento do Brasil. Recriando e desfazendo mitos existentes a respeito da relação entre o europeu e o elemento nativo, faz da narrativa uma boa maneira de atualização de conceitos, ou, pelo menos, reorganiza o objeto de observação a partir de um outro ponto de vista, que tem a responsabilidade em preservar um panorama distinto, que agora se constitui em romance.
 
A noite é dos pássaros traz uma homenagem a Alexandre Rodrigues Ferreira, que, embora tenha nascido na Bahia em 1756, é, a bem dizer, português, pois, com apenas 14 anos, partiu para Portugal, só retornando ao Brasil em 1783, como naturalista formado na Academia de Coimbra. No Grão-Pará (hoje Amazônia, onde nasceu Nicodemos Sena) e Mato Grosso, Alexandre Rodrigues Ferreira pesquisou, durante dez anos, as nossas riquezas naturais, do que resultou a sua Viagem Filosófica. Na obra de Nicodemos, o cientista aparece sob o codinome de “Alexandre Rodrigo Ferreira”, aprisionado na foz do rio Amazonas pelos índios tupinambás, canibais que têm uma certa predileção em alimentar-se de portugueses, considerados inimigos de seu povo.
 
No cativeiro, Alexandre encontra um livro, que veio parar na aldeia após um naufrágio. A obra encontrada narra a história de Hans Staden, um alemão que também fora prisioneiro dos índios tupinambás em uma aldeia de Ubatuba, litoral de São Paulo, no século XVI. Trata-se de uma história real, da qual o autor retirou alguns elementos e boa parte do roteiro do romance, sem prejuízo para a ficção, cuja originalidade está no “como” a história é convertida em estória, e não no “quando” ou no “onde” transcorre a ação.
 
Publicado primeiramente no jornal “O Estado do Tapajós”, A noite é dos pássaros tem os principais ingredientes do folhetim — suspense contínuo; enredos que se imbricam gradualmente, numa intencional mistura de tempo e espaço, etc. Entretanto, o romance é mais do que a simples história de amor entre a índia Potira e o naturalista. Questões como o choque entre culturas e a combinação veracidade & ficcionalidade são abordadas. Nota-se a intensa pesquisa. Informações, idéias e costumes do século XVIII permeiam a ficção, numa refinada e complexa rede de referências, sem retirar-lhe a leveza. A utilização da língua tupi nos diálogos dá um sabor especial ao texto e permite ao leitor “vivenciar” o momento histórico.
 
A noite é dos pássaros dialoga com outras obras de escritores brasileiros. Como o herói de I-Juca-Pirama, Alexandre Rodrigo Ferreira será devorado em ritual antropofágico, porém, admite, perante o algoz, que não é um guerreiro e não se envergonha de demonstrar medo da morte. Como no Macunaíma, Nicodemos retoma lendas indígenas, misturando o real e a fantasia. Parte dos “fatos”, mas a estes não se prende, já que tem uma visão muito particular das coisas.
Sem perder o pulso da narrativa, deixa que seus “pássaros” voem com a imaginação.
 
Infelicitado pela morte iminente e anunciada, o narrador de A noite é dos pássaros busca nos sonhos um sentido para a vida, recupera o sentido original da cultura indígena, criando marcantes personagens, como a apaixonada Potira, que acompanha Alexandre durante toda a trama. E recria alguns mitos, como o de Sumé, o “cariua catu” (branco bom, em tupi), que alguns crêem ser a própria figura de São Tomé entre os índios. Enquanto no livro de Hans Staden (Duas viagens ao Brasil) o homem branco e o Deus que o governa são os elementos principais, no romance de Nicodemos Sena o índio é valorizado.
 
Por tais nuanças, que revelam o vigoroso estilo e intensidade do autor paraense, A noite é dos pássaros merece um lugar de destaque. É uma obra fascinante, na qual o escritor transpõe as barreiras impostas pela mediocridade e voa em todas as direções, sonhando, deixando-se levar pelas asas de seu rico imaginário, entregando-se aos espíritos que habitam a natureza, lá onde está a sabedoria, o medo lutando contra a valentia, a metáfora da vida e da morte.
 
_______________________
* Dirce Lorimier Fernandes é doutora em História da Cultura pela Universidade de São Paulo(USP), membro da Associação Paulista de Críticos de Artes(APCA) e autora, entre outros, de A literatura infantil (Ed.Loyola) e A inquisição na América (Ed. Arké)

Faça seu comentário, dê sua opnião!

Imprimir
Voltar
Página Inicial

Destaques

Autores Selvagens

Autor

» Clauder Arcanjo

Clauder Arcanjo nasceu em 1963 em Santana do Acaraú (CE), mas se radicou em Mossoró (RN), onde assina uma crônica semanal no jornal “Gazeta do Oeste”. Engenheiro da PETROBRAS e gerente de plataforma, dividido entre a terra e o mar, Clauder consegue, apesar disso, florescer inteligência e beleza no solo mais improvável, e realiza o prodígio de fazer da Literatura o leitmotiv de sua existência, provando que “o Brasil não é só litoral”, como canta o poeta.

Colunas e textos Selvagens

© 2008 Associação Cultural LetraSelvagem - Todos os Direitos Reservados.