Editora LetraSelvagem

Literaura Brasileira

Os melhores escritores do Brasil

Ricardo Guilherme Dicke

Romance, Poesia, Ficção

Deus de Caim

Olga Savary

Nicodemos Sena

Edivaldo de Jesus Teixeira

Marcelo Ariel

Tratado dos Anjos Afogados

LetraSelvagem Letra Selvagem

Santana Pereira

Sant´Ana Pereira

Romance

Nicodemos Sena

Invenção de Onira

A Mulher, o Homem e o Cão

A Noite é dos Pássaros

Anima Animalista - Voz de Bichos Brasileiros

A Espera do Nunca mIas (uma saga amazônica)

O Homem Deserto Sob o Sol

Romancista

Literatura Amazonense

Literatura de Qualidade

Associação Cultural Letra Selvagem

youtube
Destaque Cadastre-se e receba por e-mail (Newsletter) as novidades, lançamentos e eventos da LetraSelvagem.
Lançamento do livro K - O escuro da semente

Autores Selvagens

Fonte maior
Fonte menor
Francisco Moura Campos
Página publicada em: 24/08/2016
“A poesia de Francisco Moura Campos consegue arrancar do mais profundo das sombras da infância a pureza e o sabor da terra, que o tempo havia tentado sepultar. Uma poesia nítida e dedicada a reinventar o perdido e o nunca encontrado.” (Renata Pallottini).
Imagem
Francisco Moura Campos nasceu em 1942 em Botucatu, Estado de São Paulo, onde transcorre a telúrica infância presente em muitos de seus poemas. De seu tempo de estudante de engenharia na cidade de São Carlos (SP) extrai as reminiscências mais vívidas.
 
Como um “menino antigo” (expressão criada pelo seu amigo Carlos Drummond de Andrade, com quem durante anos compartilhou experiências literárias), “Chico Moura”, como também é conhecido o poeta, apresenta-se neste Refúgios do tempo completamente liberto de temas e formas que impeçam a arte de alcançar alturas e profundidades que lhe são inerentes. Amplo, suave e sublime é o voo que o poeta empreende através de campos e planícies do devir humano.
 
Poeta fecundo, sua estreia literária se deu em 1980, com O sorriso do drama (Massao Ohno/Hoswitha Kempf). Ponteios da madrugada (Limiar, 2010) recebeu o prêmio PROAC-Secredtaria da Cultura de São Paulo. Paralelamente à atividade como engenheiro, foi editor de poesia e lançou vários poetas pela Editora Metrópolis, da qual foi sócio diretor em 1986.
 
Poeta amplamente reconhecido pela crítica.
 
“Foi muito comovente perlustrar linha por linha a coleção de textos autobiográficos de Francisco Moura Campos. Sente-se na organização do conjunto a pungente busca da infância feliz, gravada no tempo e no espaço, no interior, nos quais foi se formando a personalidade humana e artística do autor. Assim, Botucatu, São Carlos e São Paulo são evocados, bem assim a Zona Rural, com as suas dádivas: flores, animais, pássaros, insetos, tudo sobre o sortilégio do céu cor-de-rosa.” (FÁBIO LUCAS)
 
“Seu livro é uma afirmação de poesia que merece o trânsito e o conhecimento compreensivo. (...) Você constrói ‘brinquedinhos que ajudam a viver’, e isso é puro.” (CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE)

Faça seu comentário, dê sua opnião!

Imprimir
Voltar
Página Inicial

Destaques

Autores Selvagens

Autor

» Álvaro Alves de Faria

Já em 1971, ano da primeira edição do romance "O Tribunal" (Editora Martins-SP), Álvaro Alves de Faria, com apenas 29 anos de idade (nasceu em São Paulo em 1942), era considerado “um dos escritores jovens mais conceituados” do Brasil, como informa o jornalista Durval Monteiro nas orelhas do livro. Da Geração 60 de Poetas de São Paulo, Álvaro Alves de Faria publicou mais de 50 livros, incluindo poesia, novelas, romances, ensaios literários, livros de entrevistas com escritores e é também autor de peças de teatro, entre elas "Salve-se quem puder que o jardim está pegando fogo", que recebeu o Prêmio Anchieta para Teatro, um dos mais importantes dos anos 70 do Brasil. Como poeta, recebeu os mais significativos prêmios literários do país. É traduzido para o inglês, francês, japonês, espanhol, italiano, servo-croata e húngaro.

Colunas e textos Selvagens

© 2008 Associação Cultural LetraSelvagem - Todos os Direitos Reservados.